Voltar ao topo

Priscilla Roberta Paes Cordeiro

Priscilla Roberta Paes Cordeiro

Psicóloga (CRP 12/10041)

Graduada em Psicologia pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), registrada no Conselho Regional de Psicologia sob n. 12/ 10041. Com MBA em Psicologia Organizacional e Coaching. Há mais de oito anos realiza avaliação psicológica e psicoterapia em crianças, adolescentes e adultos utilizando a abordagem Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) que é amplamente utilizada por sua eficácia em curto período de tempo.

A avaliação psicológica é um processo de coleta de dados e interpretações de informações, no qual podem ser utilizados diversos métodos e técnicas, incluindo testes psicológicos padronizados. Tem como objetivo primordial a formulação da hipótese diagnóstica que auxiliará na direção do tratamento do paciente.

Possui experiência e atuação clínica, sendo que sua maior demanda concentra-se nos atendimentos de crianças com transtorno de personalidade, transtorno do espectro do autismo, depressão, dificuldades de aprendizagem e distúrbios comportamentais, especialmente agressividade e comportamento antissocial, TDAH (Transtorno Déficit de Atenção com Hiperatividade) entre outros.

Quando procurar atendimento psicológico para a criança?

Os pais devem ficar atentos quando a criança apresenta os seguintes comportamentos:

  • Agressividade;
  • Hostilidade;
  • Desânimo;
  • Problemas em se relacionar;
  • Birra;
  • Dificuldades para aprender;
  • Não consegue se posicionar e se defender;
  • Fica ansiosa demais;
  • Tem medo excessivo em deixar os pais, ou ao dormir ou ir à escola;
  • Fala muito sobre morte;
  • Conecta-se com personagens agressivos, que matam, que são vilões; não respeita regras dita e muda regras dos jogos para benefício próprio;
  • Não se importa com os outros;
  • Comportamentos ligados à sexualidade, como apresentar fala e gestos sexuais;
  • Não consegue fazer uso da imaginação ao brincar;
  • Come muito ou come pouco demais;
  • Está abaixo ou acima do peso;
  • Não tem interesse em se arrumar e se produzir, como por exemplo arrumar o cabelo;
  • É desleixado com os materiais e brinquedos ou é organizado demais;
  • Dorme com a luz acesa;
  • Faz xixi na cama com frequência;
  • Adoece com frequência;
  • Falta de concentração.


Como funciona a psicoterapia infantil?

Os pais percebendo os sintomas e comportamentos listados acima devem procurar o psicólogo.  Às vezes ele receberá um encaminhamento por parte da escola. O psicólogo fará uma entrevista inicial com os responsáveis para colher informações importantes a respeito da criança como um todo. Somente depois são feitos os atendimentos com a criança. Durante os atendimentos com a criança podem surgir a necessidade de novos encontros com os responsáveis para coletar mais informações.

Há muitos momentos em que as crianças não conseguem se comunicar com palavras, por isso também, utiliza-se materiais como bonecos, animais, materiais de desenho, massa de modelar, brinquedos, como utensílios de cozinha, carros, animais, dedoches, revistas, etc. A maioria das crianças adere facilmente à psicoterapia e adquire, em relação ao terapeuta, confiança suficiente para se expor, brincando livremente.

A participação dos pais neste processo de psicoterapia infantil é essencial, pois somente assim eles terão conhecimento sobre as adversidades do filho. Os pais serão ouvidos e orientados pelos psicólogos para conseguirem auxiliar no tratamento da criança. Mas é importante ressaltar, que em muitos dos casos, os pais também precisam de atendimento individual como pessoas e não como pais somente.

Em várias ocasiões, a orientação e o suporte oferecido aos pais (aconselhamento psicológico) já proporcionam uma melhora na queixa apresentada. A criança passa a receber apoio suficiente para que entenda, elabore, e supere suas dificuldades. Quando o sofrimento da criança é muito grande, os pais podem não conseguir intervir de maneira positiva, e o apoio dos pais pode não ser o suficiente para que a criança compreenda e supere seus problemas.

Quais os benefícios?

São vários os aspectos positivos, sobretudo, a superação dos sentimentos e sensações que incomodam a criança. O tratamento resolve os conflitos internos e externos que provocavam uma perturbação emocional ou física, promovendo assim o alívio dos sintomas, além de ajudar no desenvolvimento dos pequenos e também dos jovens. A psicoterapia infantil ajuda a criança a se redescobrir, orientando-a a trilhar um caminho próprio e independente, sem importar-se com julgamentos ou rótulos.

Os atendimentos realizados durante a infância ou adolescência são alternativas ideais para garantir uma vida equilibrada, eliminando ou, pelo menos, amenizando as pressões do cotidiano, o que resultará na formação de adultos mais seguros e satisfeitos. Com o tratamento, a criança ainda percebe a importância de viver o momento presente. Salienta-se que não é de um dia para o outro que padrões de anos vão mudar, e por esse motivo deve-se ter paciência para que as mudanças não sejam apenas passageiras.

Atualmente a principal função como Psicóloga é de ser  FACILITADORA das relações humanas em qualquer área em que atua. É compreender o ser humano para que possa  conhecer e interpretar a si mesmo e o mundo em que vive. Pesquisar o funcionamento da mente e do comportamento do ser humano, por meio da observação, da analise e da avaliação de suas emoções, necessidades interiores, capacidade motora e intelectual.